Mais Vendidos

Conheça-nos

Ajuda

Promoções

Blog navigation

Últimas publicações

All categories

  • Suplementos alimentares
    Suplementos alimentares
    Os suplementos alimentares são géneros alimentícios comercializados de forma doseada, como por exemplo sob a forma de comprimidos, cápsulas, líquidos em doses medidas. São fontes concentradas de nutrientes (vitaminas e minerais) ou de outras substâncias com um efeito nutricional ou fisiológico. Os suplementos alimentares destinam-se a complementar ou suplementar uma alimentação normal. Na sua composição, os suplementos alimentares podem conter uma grande diversidade de nutrientes, como as vitaminas, minerais, aminoácidos, ácidos gordos essenciais, fibras e várias plantas e extratos de plantas. As substâncias que podem podem estar presentes em suplementos alimentares, podem enquadrar-se em três grandes grupos: vitaminas e minerais, plantas e extratos botânicos e outras substâncias.Grupos e categorias de suplementos alimentaresVitaminas e minerais Vitamina E, Vitamina C, MagnésioPlantas e extratos botânicos Allium sativum (Alho), Lepedium meyenni (Maca), Arthrospira platensis (Spirulina), Centella asiaticaOutras substânciasFibras e ProtobióticosInulina, lacobacillus acidophilus, outras levedurasÁcidos gordos essenciaisÁcido docosa-hexaenóico (DHA). Ácido eicosapentaenóico (EPA)Aminoácidos e EnzimasL-arginina, Coenzima Q10
    View 16 posts
  • Vitaminas
    Vitaminas
    As vitaminas são um grupo de nutrientes orgânicos essenciais para regular os processos químicos no organismo. De forma geral, o organismo não pode sintetizá-las, pelo que devem ser obtidas através dos alimentos ou sob a forma de suplementos alimentares. Uma vez que não existe nenhum alimento ou grupo de nutrientes que forneça todas as vitaminas essenciais, é necessária a manutenção de uma dieta equilibrada através da ingestão de uma grande variedade de alimentos. As vitaminas não são desdobradas por catabolismo, mas são utilizadas pelo organismo na sua forma original ou ligeiramente modificada. Normalmente, se a estrutura de determinada vitamina for destruída, a sua função perde-se. A estrutura química de muitas vitaminas é destruída pelo calor (por exemplo, quando os alimentos são muito cozinhados). Existem dois grupos principais de vitaminas: as lipossolúveis, como as vitaminas A, D, E e K, que podem dissolver-se nas gorduras e armazenarem-se no organismo, e as vitaminas hidrossolúveis, como as vitaminas B e C, que são solúveis em água e que o organismo não pode armazenar. Em consequência, as vitaminas hidrossolúveis têm que ser repostas diariamente, enquanto que as vitaminas lipossolúveis podem ser acumuladas para além do limiar da toxicidade. O VRN (valor de referência do nutriente), estabelece a quantidade de vitaminas e minerais recomendada, que se deve ingerir, que se presume oferecer proteção contra doenças determinadas. Embora as quantidades individuais variem, os VRN são uma boa orientação. Quanto mais baixa for a ingestão, relativamente ao VRN, maior a probabilidade de ocorrência de uma deficiência nutricional. Por outro lado, o consumo exagerado de determinadas vitaminas e sais minerais pode ter efeitos nocivos. Nos últimos anos, as investigações sobre as vitaminas deixaram de ser direcionadas apenas para as suas deficiências, mostrando um maior interesse no papel que estes nutrientes desempenham na redução do risco de doenças degenerativas crónicas. O escorbuto (resultado de uma quantidade insuficiente de vitamina C) foi observado há, pelo menos, 3500 anos, e já no século XVII, eram dados aos marinheiros rebentos frescos de cereais ou sumos de citrinos para o curar ou prevenir. No entanto, o conceito do escorbuto enquanto patologia de carência, causada pela ausência de uma substância específica, só emergiu mais tarde. Na década de 1890 um médico holandês Christiaan Eijkman, descobriu que podia curar galinhas que sofriam de uma doença semelhante ao béri-béri alimentando-as com arroz integral, não tratado. Em 1912 Casimir Funk, um bioquímico natural da Polónia, propôs a existência do que chamou «vitaminas» (aminas vitais), mas só em 1915 ficou completamente estabelecido que diversas patologias de carência eram curáveis e evitáveis pelos extractos de certos alimentos. Por essa altura, sabia-se que estavam envolvidos dois grupos de factores: um hidrossolúvel e presente por exemplo na levedura, arroz integral, gérmen de trigo; e outro lipossolúvel, presente na gema do ovo, manteiga e óleos de fígado de peixe. À substância hidrossolúvel, que se sabia ser eficaz contra o béribéri chamou-se vitamina B. O complexo vitamínico lipossolúvel foi inicialmente designado por lipossolúvel A. Em resultado de técnicas analíticas, esta foi posteriormente separada nos seus vários componentes, e foram descobertos outros complexos. Os outros animais também precisam de vitaminas, não necessariamente as mesmas que são necessárias ao homem. Por exemplo, a colina, que os seres humanos conseguem sintetizar, é essencial aos ratos e a algumas aves, que por si não conseguem produzir em quantidades suficientes.
    View 5 posts
  • Minerais
    Minerais
    Os minerais são substâncias químicas inorgânicas necessárias aos organismos vivos. Os minerais não podem ser sintetizados no corpo e, portanto, é necessário obtê-los a partir da alimentação. Participam ativamente regulando várias funções fisiológicas, como o transporte de oxigénio para as células e a manutenção do sistema nervoso central. Também são necessários para o crescimento, manutenção e reparação dos tecidos. Os minerais podem ser divididos em dois grupos principais: macro minerais e os oligoelementos (esta classificação é baseada na quantidade que o corpo necessita de cada um deles). Geralmente, quando o organismo precisa menos de 15 mg por dia de um mineral, é classificado como um oligoelemento. Geralmente, as plantas obtêm os seus sais minerais do solo, enquanto que os animais os obtêm-nos dos alimentos. Onze macro-elementos são indespensáveis para o organismo humano: o hidrogénio, o carbono, o oxigénio, o azoto, o magnésio, o fósforo, o enxofre, o cloro, o potássio e o cálcio. Outros 14 elementos, que por se encontrarem em quantidades inferiores a 0,01% do peso corporal, designam-se por oligoelementos, como é o caso do ferro, do iodo, cobre, manganês, zinco, cobalto, molibdénio, selénio, crómio, estanho, vanádio, flúor, o silício e o níquel.
    View detail
Showing 1 to 3 of 3 (1 Page)